sábado, janeiro 14, 2017

Condicionada sensação.

Quanto tempo faz desde a última vez em que escrevi?
Meu cérebro gradualmente se condicionou à lógica.
Perdi o hábito de colocar palavras não-técnicas em um papel.
Tamanha é a desvantagem do foco doentio nos fins.
A rotina corroeu a sensibilidade amparada pelo tempo.
Eu vi, você sabe?
Mas eu permiti como o preço a se pagar por uma escolha.
Exatas, humanas.
Razão, sentimento.
Nunca gostei dessa dicotomia,
Mas é angustiante descobrir que ela existe.
Onde deixei minha capacidade de reflexão?
Isso é o começo de uma reflexão?
Veja quão raso se tornou meu vocabulário...
Quero sair desse desprezível cenário.
Tentei rimar para parecer espontâneo.
Mas você percebe, né?
Isso aqui é metódico, não é espontâneo não...
A sensação é de estar fazendo uma força enorme para encontrar palavras.
Palavras que por descaso deixei em um porão e foram esquecidas.
Sensação.
Eu escrevi sensação.
Quanto mais tento acessar, mais longe ela fica.
Isso, a sensação.
Qual era o objetivo?
Escrever sobre ter perdido a capacidade de escrever.
São tantos pontos finais bloqueando o acesso.

São muitos.

domingo, outubro 09, 2016

Organizando e otimizando tempo.


   Conversando com algumas pessoas que estão em época de vestibular ou até mesmo no ensino superior, percebi que uma das maiores dificuldades está em organizar o tempo de estudo. Você vai precisar aprender a lidar com isso na sua vida profissional, quanto mais cedo começar a aprender sobre gerenciamento de tempo, melhor.
   Comecei a organizar meu tempo, de fato, no ano passado em que eu fazia ensino médio e pré-vestibular ao mesmo tempo (em outra cidade). Desde que comecei até hoje, percebo que é um aprimoramento, ninguém acerta no início, a organização precisa ser dinâmica e fluída.
   Sendo assim, resolvi compartilhar o que eu sei sobre isso. (Não escreverei em nível aprofundado porque primeiramente (fora temer) quero passar a visão geral)

1. Descobrir seu horário de maior produtividade.
   Eu errei muito no começo tentando estudar temas complexos durante à tarde, porque esse é o horário em que atinjo o maior nível de estresse, logo deixo a tarde para fazer tarefas mais mecânicas quando tenho janela entre aulas. À noite é o horário em que eu deixo para descansar (vou falar disso adiante) e, quando estou apertada leio algo teórico sobre alguma matéria.
   Meu horário de maior produtividade é pela manhã, não abro mão disso. Mas tenho aulas durante esse horário e intervalos curtos, como resolver? Simples, acordar antes de todo mundo.
   Há cerca de 3 semanas estou acordando às 5 da manhã durante os dias úteis, acordo antes de todos, produzo antes de todos, o preço a se pagar é terminar o dia antes de todos. Já ouviu falar do 5am club? Leia aqui sobre 7 motivos para acordar às 5 da manhã.
   Obviamente, nem todo mundo é matinal, acordar às 5 pode piorar seu desempenho, então a tarefa é sua, citei meu exemplo por referência.

2. Planejar o dia de amanhã.
   Tem um aplicativo muito útil e é fantástico para essa função. Se chama Agenda. Já ouviu falar? Aquela de papel que você escreve como faziam os neandertais. Ter uma agenda física é muito melhor do que digital, se duvidar de mim é só testar.
   Quando fizer isso pela primeira vez, tenha como base os seus dias anteriores, comece de leve e depois aprimore porque há um grande risco de planejar uma quantidade de tarefas impraticáveis. Planeje o dia de amanhã à caneta e coloque lembretes para os próximos dias a lápis. Não dá pra planejar o mês inteiro como se fôssemos robôs. (embora eu iria gostar muito)

3. Criar um modelo de planejamento fixo.
   Tem outra ferramenta que as pessoas morrem de medo de usar: planilhas. Planilhas não mordem, elas são muito atraentes na verdade. A agenda serve como um planejamento pragmático, a planilha como um planejamento idealista, um modelo. 
   Separe os horários de acordo com sua produtividade, distribua tarefas fixas em dias específicos (por exemplo: estudar matéria x, dar faxina na casa, você deve ter uma ideia do que estou falando, eu espero), marque seu horário de dormir e de acordar, seu horário de descansar, etc etc etc
   O mais importante da planilha é que você possa sempre modificar quando perceber que algo funcionaria melhor em outro horário, como eu disse, precisa ser fluído, você não vai acertar de primeira.
   E imprima, porque seu cérebro entende que coisas físicas são mais reais. 

4. Rotina boa vs Rotina de excelência.
   Não me esqueço do dia em que minha psicóloga me disse: "As pessoas bem sucedidas tem horário marcado pra se divertir". O meu erro estava em planejar produtividade e não planejar lazer. Isso porque diversão aumenta a produtividade, quando você está sobrecarregado pode ficar 8 horas na frente de uma tarefa que você vai de nada pra lugar nenhum, enquanto que quando sua mente está descansada, em 1 hora poderia ter rendido. 
   Eu ainda tenho muito o que trabalhar nessa parte, pois às vezes meu próprio estresse não me permite ter diversão. Acredito que eu esteja aprimorando ainda.
   Além disso, é importante definir o que é diversão pra você. Eu demorei a perceber que sair e ficar ouvindo gente falando futilidade me irrita ao invés de me divertir, por isso só estou fazendo isso quando acho que vale a pena. Não troco meu filme, que eu sei que vai me divertir, por sair e confiar no acaso se vou me divertir ou perder tempo.

5. Equilíbrio mental.
   Percebi que meditação me faz me sentir menos desequilibrada na vida, não no sentido espiritual, mas porque de fato toda a técnica de respiração ajuda na ansiedade. Percebi que bebida alcoólica me fazia mal e me reerguer depois era muito difícil. Percebi que acompanhamento psicológico com um bom profissional era uma forma eficiente de me manter longe da estagnação. Percebi que arrumar o meu cabelo me fazia pensar que estou cuidando de mim mesma. Percebi que notas não são muito coisa, embora eu me preocupe, não necessariamente define minha capacidade profissional. Percebi que tomar chá de camomila me dá uma sensação boa, e geralmente sensações são coisas muito difíceis para uma pessoa tão digital. (não sei se chá de camomila tem fundamentação real nisso ou é placebo, mas funciona)
   O que te traz equilíbrio?

6. Prioridades e objetivos.
   Eu tenho vontade de não estudar em um domingo e assistir minhas séries, mas não faço. Quando você tem um objetivo realmente claro na cabeça ninguém é capaz de interferir, mesmo. Você quer fazer muitas coisas, mas o que é prioridade pra você? Se você não sabe seu objetivo, você começou errado, ache-o. Eu escolhi certas coisas como prioridade na minha vida, quando você escolhe elas, você também escolhe do que vai abrir mão. Eu estou bancando o peso de ser quem eu escolhi ser.

7. Sono.
   "Já sei, vai falar que tenho que dormir 8 horas por noite."
   Na verdade não, vou dizer pra você dormir o tanto necessário para atingir seu melhor potencial durante o dia. Dormir 8 horas por noite nem sempre é a quantidade certa, isso é um mito, porém saber a sua quantidade é realmente importante. Eu não posso dormir menos de 7h30 por noite, nem mais que 9h, então tento equilibrar do jeito que me mantenha funcionando. Não adianta querer que o dia seja produtivo se você acorda cansado, colega.

8. Life hacks app.
   Agora sim eu vou falar sobre ferramentas digitais pra auxiliar. Vou indicar aplicativos que eu utilizo e que são realmente úteis. (Uso iOs)

Captura de tela do iPhone 1

Be focused - É um aplicativo baseado na Técnica Pomodoro. (Dá um google pra saber o que é)

Captura de tela do iPhone 5

Despertador de Bom Dia - Rastreador Ciclo do Sono - Ele faz as estatísticas do seu sono, monitora os ciclos do sono. (Uso a versão free)

Captura de tela do iPhone 1

Meditation Timer - Mais do que musiquinhas, para meditar você precisa de um timer específico. Os aplicativos de musiquinhas não faltam, mas gosto do silêncio.

Captura de tela do iPhone 5

Pacifica - Anxiety, Stress, & Depression relief - Aquela parte da saúde mental...

9. Seja flexível consigo mesmo.
   Incógnita. Ainda não sei como fazer isso.

"Ah, mas eu não tenho tempo." - Se eu te mostrar minha planilha você chora.
"Ah, mas como faz com a preguiça e a procrastinação?" - Se você está perguntando isso, essa postagem não é pra você.


domingo, agosto 14, 2016

O que é cultura? (Na música)


   Somos parte da geração que acredita que seu gosto musical define nível de inteligência. 
   Eu achava, lá pelos meus 11 anos, que minhas músicas pop americanas eram superiores ao sertanejo raiz que meu pai gostava de escutar.
   Aos 14, era comum superiorizar o rock entre o grupo de amigos e criticar o funk sem cultura que tocava nos bailes.
   Aí está o problema: O que é cultura? Principalmente, o que representa a cultura brasileira? Você pode me responder com MPB, bossa nova e samba. 
   Estamos no início de 1900. Embora o Samba não seja essencialmente do morro, ele representou por um bom período a identidade do negro habitante do mesmo. Como exemplo, deixo pra vocês lerem sobre Cartola
   Estamos ( mais ou menos) em 1950, influenciada pelo jazz e pelo samba, surge a Bossa Nova. Enquanto que no samba de morro a temática era voltada para retratar as dificuldades e melancolia, na Bossa Nova os temas eram descompromissados e ligados ao cotidiano da classe média. Por esse motivo, é comum dizer que a Bossa Nova trouxe consigo a elitização. 
    Estamos na ditadura militar (1964), agora é a vez da música popular brasileira denunciar o que acontecia por baixo dos panos. Em um período de pura censura, as músicas cumpriam seu papel através de metáforas. O melhor exemplo a se oferecer é Chico Buarque.


   Eu concordo com você, é inegável a importância desses gêneros para a identidade brasileira, no entanto, precisamos admitir que não retrata a pluralidade de nossa identidade.

O funk e o rap como manifestação cultural no Brasil.
   Por que fazem tanto sucesso na atualidade? Ambos representam a identidade do negro favelado que, apesar de todas as dificuldades, conseguiu um espaço pra cantar aquilo que ele sabe, é acessível, é simples, não é necessário muitos recursos para produzir. 
É som de preto, de favelado, mas quando toca ninguém fica parado...

    "Mas o funk é machista"
    Eu, como feminista, enxergo o machismo como um problema estrutural, que está na raiz da sociedade. A música só reproduz a realidade, assim como em outros gêneros existe machismo. Você já traduziu as letras do rock que você escuta? Além disso, não podemos atribuir ao gênero como um todo a responsabilidade de algo que não é inerente a ele, o machismo não é a essência do funk, talvez tenha mais impacto porque não é camuflado, é notável quando um funk reproduz machismo. Eu gosto de funk, isso não quer dizer que eu apoio o machismo neles, por isso muitas vezes escuto funk produzido por mulheres. Mas o fato é que não vivemos num mundo com arco-íris e unicórnios, o machismo sempre está presente.

A nova geração do rap e funk.
   Como eu disse, o machismo não é inerente a nenhum ritmo musical. Prova disso é a nova geração que usa o funk e o rap como crítica à sociedade.

Eu conversei com a Marina, do blog Legalmente Crespa, e ela me deu uma contribuição:
Quando vocês pensam em Funk o que vem na cabeça? Provavelmente para a maioria seja "Putaria", pra mim eu vejo cultura. Vocês devem achar que estou louca mas não estou, o funk é cultura, uma cultura que retrata a vida do preto favelado.O funk surgiu no Rio de Janeiro e expandiu para todo o Brasil. Lembro do primeiro funk que eu ouvi e foi exatamente "som de preto", essa música tocava em uma novela a qual eu não recordo no momento. A musica estourou e era contagiante, logo após isso vários cantores de Funk começaram a surgir,  mas tiveram a reprovação da maioria por dizerem coisas "inapropriadas" para qualquer ambiente. Mas cheguei à conclusão que a música não incomoda por esse fato e sim por ser menosprezada pela elite branca. Anitta, uma funkeira renomada aqui do Brasil cantou nas aberturas das Olimpíadas 2016. E o que a galera disse sobre isso? A maioria não gostou, afinal, quem gosta de ver mulher funkeira representando o Brasil? Afinal, Brasil é terra de Bossa nova, MPB, talvez um pouco de rock, bastante sertanejo, mas funk? isso a elite não admite.
   Sugiro a leitura do texto A incrível geração que acredita ser mais inteligente por seu gosto musical. Até a próxima, sem elitismo e, claro, fora temer.

Agradecimento: Ana Luisa Magalhães e Franciele Gonzaga.


Fontes:
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/carnaval/samba-produto-morro.htm
http://www.suapesquisa.com/musicacultura/bossa_nova.htm
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/historiadobrasil/a-ditadura-militar-no-brasil-atraves-musica-popular-.htm
http://of.org.br/noticias-analises/funk-como-manifestacao-cultural/

domingo, maio 15, 2016

O que o seu signo tem a ver com a sua personalidade?


   Eu quero responder essa pergunta, mas responder certas perguntas não é algo tão simples a ponto de bastar somente o uso da intuição e achismos. Quero que mantenha a mente aberta e acompanhe meu raciocínio, afinal não criarei dogmas.
   Realizei uma pesquisa informal através do twitter citando certas características de personalidade e pedindo para aqueles que se identificassem dessem seu favorite.
[etc] Todos estão no mesmo perfil.

   Não há intenção de dizer em que você deve ou não acreditar, estou sendo imparcial com o objetivo único de responder a essa pergunta.

A história da astrologia:
    "O ramo da astrologia mais popular atualmente, pelo menos no ocidente, foi estabelecido pelos gregos que basicamente fundamentaram algo que já vinha sido desenvolvido pelos babilônios 450 anos antes de Cristo." Desde a antiguidade existe o pensamento de que os astros influenciam no nosso cotidiano, prova disso são os mitos em que os astros são tidos como deuses.

Nossa amostra:

Total: 46 pessoas
Áries: 6 pessoas
Touro: 5 pessoas
Gêmeos: 4 pessoas
Câncer: 5 pessoas
Leão: 2 pessoas
Virgem: 4 pessoas
Libra: 4 pessoas
Escorpião: 3 pessoas
Sagitário: 3 pessoas
Capricórnio: 2 pessoas
Aquário: 3 pessoas
Peixes: 5 pessoas

Nossa planilha completa: 



Destrinchando:
   Fizemos o caminho inverso da astrologia, ao invés de agrupar características por signo, agrupamos signos por características.
   Lógica: Cada signo tem suas características predominantes, logo em cada característica devemos ter um signo predominante.
   Percebemos, pela planilha, que esse padrão não existe.
Exemplo 1: Se certos signos são mais propensos a serem indecisos, por que todos os signos, com exceção de escorpião, apareceram nessa característica?
Exemplo 2: Se touro é o signo que mais gosta de comer, por que não houve predominância dele em relação aos outros signos? Por exemplo, a mesma quantidade de pessoas de áries marcaram essa característica.

   A resposta é simples: Todos nós temos todas as características, como um espectro.

Efeito Forer.

   O psicólogo B. R. Forer descobriu que as pessoas tendem a aceitar descrições de personalidade vagas e generalizadas como se fossem aplicáveis unicamente a si próprias, sem perceber que a mesma descrição poderia se encaixar em praticamente qualquer pessoa. Considere o texto seguinte como se tivesse sido oferecido como avaliação da sua personalidade.

   Forer passou um teste de personalidade para os alunos, ignorou as respostas e deu o seguinte texto, para TODOS, como resultado:
"Você sente necessidade de que outras pessoas gostem de si e o admirem, e ainda assim tende a ser crítico em relação a si mesmo. Embora tenha algumas fraquezas de personalidade, geralmente é capaz de compensá-las. Você tem uma considerável capacidade não utilizada, que ainda não usou a seu favor. Disciplinado e com auto-controle por fora, tende a ser preocupado e inseguro no íntimo. Às vezes tem sérias dúvidas sobre se tomou a decisão correta ou fez a coisa certa. Prefere uma certa mudança e variedade, e fica insatisfeito quando é cercado por restrições e limitações. Também se orgulha de pensar de forma independente, e não aceita afirmações de outros sem provas satisfatórias. Mas descobriu que não é recomendável ser excessivamente sincero ao se revelar para outras pessoas. Às vezes é extrovertido, afável e sociável, embora às vezes seja introvertido, cauteloso e reservado. Algumas das suas aspirações tendem a ser irrealistas."
   A média de aprovação do teste gira em torno de 4,2.

   Ou seja, quando lemos uma descrição de personalidade na astrologia, nosso cérebro tenta, por associação, encontrar nossas próprias características nela, ignorando aquilo que não se encaixa porque o uso de "você é x mas às vezes é y" é uma ótima técnica para te enganar.

Isso não é prova de que não exista influência dos astros na nossa personalidade.
   Concordo plenamente. Não há como eu provar que unicórnios não existem, mas se eles existem e você sabe que eles existem você pode provar que existem. Assim, não há como eu provar que os astros não influenciam nas nossas vidas, mas se você diz que influencia, você deve provar. O que eu fiz foi mostrar que não existem evidências de que a afirmação positiva (Astrologia influencia) seja verídica. O ônus da prova cabe a quem alega.

   Assim, temos a conclusão -através das constatações aqui discutidas- de que possivelmente não existe padrão entre as suas características de personalidade em relação ao seu signo.

Perguntas para a astrologia: (Fonte)
"[...]
 3) Gêmeos monozigóticos possuem características idênticas? Gêmeos geneticamente idênticos possuem comportamentos distintos.
[...]
6) A astrologia tem relação com algum componente genético? Macacos possuem um DNA muito semelhante a nossa espécie. Talvez exista uma astrologia do macaco também. Mas é curioso que a arrogância antropocêntrica não abra espaço para esses estudos. Pois qual motivo da astrologia funcionar para uma espécie e não para outra. Se existe a relação com os genes, vale ressaltar que bananas possuem um código genético mais extenso que o do ser humano. Seria legal poder ler diariamente o horóscopo das bananas. E isso é uma hipótese bem coerente, visto que há evidências que sugerem que metade do DNA dos humanos é semelhante ao das bananas.
 7) Mera coincidência? Dado a quantidade imensa de corpos celestes no cosmos, é improvável não encontrar uma correlação entre um determinado objeto celeste e um evento específico (desastres, posse de reis que modificaram a história, ou até mesmo acontecimentos pessoais). Entretanto, correlação não é sinônimo de causa e consequência.
[...]"
Obrigada a todos que participaram da pesquisa.